Evangélicos querem estrela gospel e filho de Bolsonaro para Senado

458 visualizações Comments
Andre-Valadao
O deputado estadual do Rio Flavio Bolsonaro (PSC), que deve concorrer ao Senado
O deputado estadual do Rio Flavio Bolsonaro (PSC), que deve concorrer ao Senado

O primogênito de Jair Bolsonaro , o deputado estadual  Flavio Bolsonaro , o ex-ministro e bispo licenciado da Universal Marcos Pereira  e o cantor gospel André Valadão, que com a irmã pastora Ana Paula Valadão lidera a banda Diante do Trono. Eis algumas das cartas na manga de uma frente evangélica que investe no pleito de 2018 para quintuplicar sua presença no Senado.

A ideia é saltar dos atuais três evangélicos na Casa para 15, diz o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), aliado do pastor Silas Malafaia, para quem já trabalhou como diretor de eventos. Já na Câmara a proposta é pular dos cerca de 80 membros da bancada evangélica para 150, o que daria 30% dos 513 deputados.

Seria um número mais condizente com os 32% de brasileiros que se declararam evangélicos em pesquisa Datafolha, e o reforço parlamentar  turbinaria a agenda conservadora no Congresso, diz Cavalcante.

“Começamos a ver dificuldades para nossas pautas -contra legalização das drogas, casamento gay etc. A gente conseguia vitórias importantes na Câmara e, mesmo com a troca do governo ideológico do PT pelo do [Michel] Temer, elas travavam no Senado.”

Magno Malta (PR-ES), pastor e cantor gospel na Tempero do Mundo, está desde 2003 no Senado. O problema é que ele “passou a se sentir isolado”, sobretudo após o sobrinho de Edir Macedo, Marcelo Crivella (PRB-RJ), deixar a Casa para ser prefeito do Rio.

Evangélicos são 3,7% dos 81 senadores. Sem Crivella, ficou mais difícil unir forças com outras bancadas. “Magno é muito de discurso, pancada, front. Crivella era mais de fazer articulação. Seu suplente [Eduardo Lopes, do PRB-RJ] não tem o mesmo traquejo”, afirma Cavalcante.

Acuado, Malta iniciou conversas “para traçar metas” com Malafaia e “o pessoal da Universal, da Assembleia de Deus”. Objetivo: indicar “candidatos com chances reais de vitória” e não correr o risco de pulverizar o voto religioso.

Assim chegaram em potenciais chapas para o Senado. No Rio, a preferência é por Flavio Bolsonaro, que em redes sociais se define como “um reacionário que reage “a tudo o que não presta, como a esquerda”. Candidato a prefeito carioca no ano retrasado, ele frequenta a igreja Batista -ao contrário do pai, católico.

Em Minas, Malta tenta convencer o cantor Valadão a estrear na política. Ele ainda “está conversando com a família” sobre isso, afirma Cavalcante.

Outros políticos costuram essa rede eleitoral, como o deputado Antonio Bulhões (PRB-SP), bispo licenciado da Universal que apresentava o talk show religioso “Fala Que Eu Te Escuto” (Record). Ex-ministro de Temer, Marcos Pereira diz que se candidatar ao Senado “não está no horizonte”, mas frisou: “Política é momento”.

Como neste ano cada Estado elegerá dois senadores, o grupo está confiante de que consegue conquistar pelo menos 15 cadeiras. A ideia é lançar um nome por Estado.

Líder da Igreja Sara Nossa Terra, por onde já passaram de Eduardo Cunha a Deborah Secco, o bispo e ex-deputado Robson Rodovalho também se diz preocupado com a fragmentação do eleitorado evangélico.

A Concepab (Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil), por ele presidida, “vai harmonizar as igrejas em torno de candidatos, para evitar que haja muitos deles com representatividade, mas poucos votos. Aí ninguém entra”, diz.

Aliar-se a outro quinhão religioso de peso, o católico (52% da população), é outra estratégia. O presidente da bancada católica  na Câmara, Givaldo Carimbão (PHS), terá a bênção da Concepab.

Pinçar gente de fora da política também será tático, afirma Rodovalho. “Importante lembrar que temos nomes empresariais fortes, como o do Flavio Rocha.” O presidente da Riachuelo frequenta a Sara e já disse à Folha , em evento da igreja, que “o Brasil precisa de um liberal de cabo a rabo”.

Folha de São Paulo